Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uptc.edu.co/handle/001/2431
Title: Quando professores de Matemática da escola e da universidade se encontram: re-significação e reciprocidade de saberes
Authors: Jiménez Espinosa, Alfonso
metadata.dc.contributor.role: Fiorentini, Dario (Orientador)
Keywords: Educação permanente
Matemática - estudo e ensino
Professores - Formação
Professores de matemática
Issue Date: 2002
Publisher: Campinas, SP : [Lugar de publicación no identificado], 2002.
Citation: Jiménez Espinosa, A. (2002). Quando professores de Matemática da escola e da universidade se encontram: re-significação e reciprocidade de saberes. (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação, Campinas, SP. http://repositorio.uptc.edu.co/handle/001/2431
Abstract: Este trabajo investigó el proceso de re-significación y reciprocidad de saberes, ideas y prácticas en un contexto colaborativo de reflexión y participación mutua, en un grupo constituido por profesores de Matemática de ciclos básico y medio y de la universidad. El material empírico recolectado, con un enfoque etnográfico, se hizo a través de: diario de campo del investigador, gravación en audio de las discusiones y reflexiones producidas durante los encuentros del grupo y narrativas o historias de clases de Matemática escritas por profesores sobre sus experiencias. Usando el análisis de discurso, se buscó identificar y analizar los significados compartidos en el cruce de discursos diferenciados. La re-significación de saberes, ideas y prácticas puede ser observada como proceso permanente de tensión entre saberes y prácticas diferenciadas: por un lado, aspectos, particularidades y saberes experienciales de clases de Matemática llevados por los profesores escolares, y por outro, los aspectos teóricos llevados por los académicos. La re-significación aparece a través del processo de interlocución donde escuchar, argumentar y contra-argumentar son fundamentales, en la práctica de un discurso con características de lúdico e/ou polémico. La investigação muestra la importancia de la reflexión colectiva tanto para los profesores escolares como para los académicos. Sin embargo, cuando el objeto de reflexión es la práctica discursiva que ocurre en el salón de clase, las discusiones se enriquecen y contribuyen más para los procesos de re-significación y de reciprocidad de saberes de la acción pedagógica en Matemática.
Description: 1 recurso en línea (xii, 237 páginas) : ilustraciones.
metadata.dcterms.bibliographicCitation: ALEKSANDROV, A., KOLMOGOROV, A., LAURENTIEV, M., E Otros. La matemática: su contenido, métodos y significado. Madrid: Alianza Universidad, séptima edición, 1985
BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora Hucitec, Nona Edição, 1999.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, terceira edição, 2000.
BARTH, Britt-Mari O saber em construção. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.
BLOOMFIELD, D. Relations between schools and the university in the preparation of teachers. Mentoring and Tutoring, Vol 4 (2), 41-49, 1996.
BONALS, Joan. El trabajo en equipo del profesorado. Barcelona: Editotial Graõ, Biblioteca de aula, 1996.
BONGIOVANI, VISSOTO E LAUREANO. Matemática e vida, 8ª serie. Editorial Ática, 1990.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais, Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.
BROUSSEAU, Guy. Théorie des situations didactiques. Grenoble: La pensée suavage, éditions, 1998.
BRUNER, Jeronime. Realidad mental y mundos posibles. Barcelona: Editorial Gedisa, 1988.
CAMPOS, S. e PESSOA, V. I. Discutindo a formação de professoras e de professores com Donald Schön. In: Cartografias do trabalho docente. Org: Geraldi C., Fiorentini, Dario., e Pereira E. Campinas: Mercado de Letras. 1ª reimpressão, 2000.
SCHÖN, Donald. La formación de profesionales reflexivos: Hacia un nuevo diseño de la enseñanza y el aprendizaje en las profesiones. Barcelona: Ediciones Paidós, 1992.
SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática e democracia. In: Educational Studies in Mathematics.21 p.109-128. Tradução de:Nacarato, A., Ferreira, A., López, C., Melo, G., Antonio, Ludmila, Carvalho, V. e Gonzalves, T. Revisão feita por Prof. Dr. Antonio Miguel, 1990.
SHULMAN, L. Those who understand: the knowledge growths in teaching, In: Educational Research, fev., pp 4-14. 1992.
SMOLKA, Ana L. B. A concepção de linguagem como instrumento: Um questionamento sobre práticas discursivas e educação formal. In: Temas de Psicologia, No. 2, 1995 pp. 11-21.
SOUZA, E., DINIZ, M. Álgebra: das variáveis às equações e funciones. São Paulo: CAEM-IME-USP, 1994.
TARDIF, Maurice. Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade, prática e saberes no magistério. In: Didática, currículo e saberes escolares. Candau V. (org.). Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000.
TEZZA, Cristovão. A construção das vozes no romance. In: Bakhtin, Dialogismo e construção de sentido. Org: Beth Brait, Campinas S.P.: Editora Unicamp, 1997.
VIANNA, Carlos. e CURY, Helena. Ângulos: uma “história” escolar. In: História & Educação Matemática. Revista da Sociedade Brasileira de História da Matemática. V. 1 N° 1 pp. 23-37. Janeiro/Junho – 2001.
VILLAR, L. El profesor como profesional: Formación y desarrollo profesional. Granada: Universidad de Granada. Primera edición, 1990.
WILSON, S. Teacher learning and acquisition of professional knowle an examination of research on contemporary professional development. Review of Resarch in Education, 24, p. 173-209. Washington: American Educational Reseach Association, 1999.
CARRAHER, Terezinha; SCHLIEMANN, Ana L. e CARRAHER David. Na vida dez, na escola zero. Sào Paulo: Cortez Editora. 3ª edição, 1989.
YUS RAMOS, R. Formación permanente del profesorado: entre la cantidad y la calidad. En: Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Angulo, J., Barquin, J., y Pérez A. (Eds). Madrid: Ediciones Akal.. Madrid: Ediciones Akal, 1999.
ZEICHNER, Kenet. A formação reflexiva dos professores: idéias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.
ZEICHNER, K. Y LISTON P. Enseñar a reflexionar a los futuros docentes. En: Angulo, J., Barquim, J., y Pérez A. (Eds). Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Madrid: Ediciones Akal, 1999.
ZOPPI-FONTANA, Mónica G. O outro da personagem: enunciação, exterioridade e discurso. In: Bakhtin, Dialogismo e construção de sentido. Org: Beth Brait, Campinas S.P.: Editora Unicamp, 1997.
ZULUAGA, Carlos. Gimnasia Matemática: ejercicios para mantenerse en forma. Bogotá: Fondo de Publicaciones del Gimnasio Moderno, 1996.
CASTELNUOVO, Emma. La Matemática. La Geometria. Firenze: La Nuova Italia, 1985.
CASTRO, Juliana Facanali. Explorando os significados do termo “radical” numa aula de Matemática. In: Grupo de Pesquisa-Ação em Álgebra Elementar. Histórias de aulas de matemática: trocando, escrevendo, praticando, contando. Campinas: Graf. FE/CEMPEM, 2001.
CHARLOT, Bernard. A mistificação Pedagógica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.
CESTARI, M. L. & KNUTSON, P. Constructing mutualities in the clasrroom: Discursy e practices in teachers training in Norway. III Conference for Socio Cultural Research, State University of Campinas, S.P. Brazil 16-20 july, 2000.
CLANDININ, D. Jean. Teacher Education as Narrative Inquiry. In: Learning to teach, teaching to learn: Stories do Collaboration in Teacher Education. CLANDININ, J., DAVIES, A., HOGAN P. & KENNARD, B. (Edit.). New York: Teachers College Press, 1993.
CLANDININ, D. Jean. Learning to Collaborate at the University: Finding our places with each other. In: Lerarning to teach, teaching to learn: Stories do Collaboration in Teacher Education. CLANDININ, J., DAVIES, A., HOGAN P. & KENNARD, B. (Edit.). New York: Teachers College Press, 1993b.
CLANDININ, J. AND CONNELLY, F. M. Studying teachers knowledge of classroms: ethics, research,and the negotiation of narrative. Journal of Eduvational Thought, 22 (2A), 269-282, 1988.
COBB, Paul. Perspectivas experimental, cognitivista e antropológica em educação matemática. Tradução do Prof. Dr Antônio Miguel. Campinas SP: Zetetiké, Vol 4 (6) p. 153-180. Julho/dezembro de 1996.
COCHRAM-SMITH, Marilyn. & LYTLE. Susan. Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, 24. Washington: American Eduational Rsearch Association, 1999.
COLERUS, E. Desde el Punto a la Quarta Dimensión: Una Geometria para Todos. Barcelona: Editorial Labor S.A., 1955.
COLOMBIA: MINISTERIO DE EDUCACIÓN NACIONAL. Ley General de Educación (ley 115). Santafé de Bogotá D.C.: MEN, 1994.
COLOMBIA: MINISTERIO DE EDUCACIÓN NACIONAL. Sistema Nacional de Evaluación: Pruebas de Evaluación SABER. Santafé de Bogotá D.C.: MEN, 1996.
COLLARES, C., AFFONSO M. M., E GERALDI J. W. Educação continuada: A política da discontinuidade. Campinas: Educação e sociedade, ano XX, No. 68, 1999.
CONELLY, F.M. & CLANDININ, D.J. Relatos de experiência e Investigação Narrativa. In: In: Larrosa, J. et al. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes, 1995.
CONTRERAS, J. El sentido educativo de La investigación. In: Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Angulo, J., Barquim, J., y Pérez A. (Eds). Madrid: Ediciones Akal, 1999.
DAHLET, P. Dialogização enunciativa e paisagens do sujeito. In: Bakhtin, Dialogismo e construção de sentido. Org: Beth Brait, Campinas S.P.: Editora Unicamp, 1997.
DEMO, Pedro. Formação permanente de professores – Educar pela pesquisa. In: Professores: formação e profissão. Menezes L. (org.). Campinas, SP: Autores Associados, 1996.
DEWEY, John. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.
DIENES, Zoltan P. Aprendizado moderno da matemática. Segunda edição, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1974.
DORAY, Bernard. Da produção à subjetividade −referências para uma dialética das formas−. In: Teoria marxista da subjetividade, P. Silveira & B. Doray, (org). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais LTDA, 1989.
ELLIOT, John. La relación entre <comprender> y <desarrollar> el pensamiento de los docentes. In: Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Angulo J., Barquim, J., y Pérez A. (Eds). Madrid: Ediciones Akal, 1999.
ENCYCLOPEDIA BRITANNICA EDUCATIONAL CORPORATION. Comparing Quantities. Britannica Mathematics in Context, Teacher Guide. Chicago: National Science Foundation, 1998.
FEDERICI, C., MOCKUS, A., CHARUM, J., GRANÉS, J., CASTRO, M., GUERRERO, B. Y HERNANDEZ, C. Revista Colombiana de Educación, N° 14, II semestre, pp. 69-90, 1984.
FEYERABEND, Paul. Entrevista com PESSIS-PASTERNAK, Guitta. In: Idéias Contemporâneas: Entrevistas do Le Monde. São Paulo: Editora Ática S. A., 1989.
FIORENTINI, Dario. Alguns modos de ver e conceber o ensino da matemática no Brasil. Campinas S.P.: Zetetike, Ano 3 Número 4, novembro. FE/UNICAMP, 1995.
FIORENTINI, Dario., NACARATO, A. e PINTO, R. Saberes da experiência docente em matemática e educação continuada. Quadrante: Revista teórica e de investigação. Associação de professores de matemática de Portugal, 8(1,2) 33-40, 1999.
FIORENTINI, Dario., SOUZA, A., E MELO, G. Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In: Cartografias do trabalho docente. Geraldi, C., Fiorentini D., e Pereira, E. (0rgs.) Campinas: Mercado de letras. 1ª reimpressão, 2000.
FIORENTINI, Dario. Pesquisando "com" professores: reflexões sobre o processo de produção e ressignificação dos saberes da profissão docente. In: Investigação em Educação Matemática, Perspectivas e Problemas. Matos J. e Fernandes E. (edit.). Lisboa: Associação de Professores de Matemática, 2000.
FIORENTINI, Dario. De professor isolado ou plugado para professor conectado: novas perspectivas à formação do professor de matemática. In: Coletânea de trabalhos do PRAPEM - VII ENEM. Campinas: CEMPEM/PRAPEM - FE/UNICAMP, 2001.
FONSECA, Maria da C. F. R. Discurso memória e inclusão: reminiscências da Matemática Escolar de alunos adultos de Ensino Fundamental. Tese de Doutorado. Campinas: FE/UNICAMP, 2001.
FONTANA, R. A. C. A constituição social da subjetividade: Notas sobre Central do Brasil. In: Educação e Sociedade, CEDES, Ano XXI, No.71 Julho, 2000a.
________________. Como nos tornamos professoras? Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2000b.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 2ª Edição. São Paulo: Editorial Paz e Terra, 1993.
_____________. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP. 1ª reimpressão, 2000.
_____________. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra. 21ª Edição, 2002.
GINZBURG, C. O queijo e os vermes: O cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. São Paulo: Companhia Das Letras, 1987.
GIROUX, Henry. Los profesores como intelectuales: Hacia una pedagogía crítica del aprendizaje. Barcelona: Ediciones Paidós, 1990.
GOLDENBERG, Paul. Quatro funções da investigação na aula de Matemática. In: Investigações matemáticas na aula e no currículo. Abrantes, P. et al. (org.) Lisboa: Associação de professores de matemática de Portugal, 1999.
GÓMEZ, Pedro. Fundamentos y métodos de la Educación Matemática. Resumen y comentarios al artículo: Brousseau, G. Fondements et méthodes de la didactique des mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, 7(2), 33-115, 1986. Página da Web.
GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 10ª edição. Tradução de Coutinho C., 1995a.
_________________. Os intelectuais e a Organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Nona edição. Tradução de Coutinho C, 1995b.
HAMMER D., & SCHIFTER D. Practices of Inquiry in Teaching and Research. National Science Foundation under Grant, 7 (2), 33-115, 2001.
HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal, Ltda. 1998.
__________________. Teaching as a Paradoxical Profession. In: ICET 46th World Congress Assembly: Teacher Education (CD- Rom), Santiago de Chile. July 2001.
HOPKINS, David. Investigación en el aula: guía del profesor. Colección IIE. Barcelona: Promociones y Publicaciones Universitarias, S.A, 1989.
JAWORSKI, Barbara. Mathematics teacher research: process, practice and the development of teaching. Journal of Mathematics Teacher Education, I (1): 3-31, 1998.
JIMÉNEZ, Alfonso y DIAZ, Miguel. Vinculación entre conocimiento cotidiano y conocimiento académico. Tunja: Ciencia en Desarrollo, 2 (2), 120-124, 1995.
JIMÉNEZ, Alfonso. La formación continuada de profesores de matemática: una experiencia. Santafé de Bogotá: Revista EMA 6 (3), 250-263, 2001.
JIMÉNEZ, R., PÉREZ, J. y RODRIGUEZ, C. Los condicionantes de la formación inicial del profesorado en España: Presupuestos para un nuevo modelo de formación. En: Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Angulo, J., Barquin, J., y Pérez A. (Eds). Madrid: Ediciones Akal, 1999.
KEMMIS, S., y MCTAGGART, R. Cómo planificar La investigación- acción. Barcelona: Editorial Laertes, primera reimpresión, 1992.
KEMMIS, S. La investigación-acción y la política de la reflexión. En: Angulo, J., Barquim, J., y Pérez A. (Eds). Desarrollo Profesional del Docente: Política, investigación y práctica. Madrid: Ediciones Akal, 1999.
KRAINER, K. In-service education as a contribution to the improvement of profesional practice: some insights into an Austrian in service programme for mathematics teachers. In: Ponte, P. et al. Desenvolvimento Profissional dos Professores de Matemática. Que formação? Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação: Seção de Educação Matemática, 1996.
LARROSA, Jorge. Leitura, experiência e formação. In: Costa, M. V. (Org). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Porto Alegre: Editora Mediação, 1996.
______________. La esperiencia de la lectura: Estudios sobre literatura y formación. Barcelona: Laertes S. A. Ediciones. Segunda Edición, 1998.
LEITE G. R. Da fronteira se pode alcançar um ângulo de visão muito mais amplo... embora nunca se veja tudo. In: Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. DP & A editora, Rio de Janeiro, 2000.
LINELL, P. & LUCHMANN T. Asymmetries in dialogue: some conceptual preliminaries. In: Asimmetries in Dialogue, edited by Makova, I. & Foppa K. Barnes & Noble Books, 1991.
LÜDKE, Menga. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Marli André, (Org.). Campinas S.P.: Papirus, 2001.
LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna. Lisboa: Editorial Gradiva, 1989.
LYTLE, Susan & COCHRAM-SMITH, Marilyn. Learning from Teacher Research: A Working Typology. Teachers College Record, Vol 2 (1), Columbia University, 1989.
MARCELO, Carlos. Formación del profesorado para el cambio educativo. Barcelona: Editorial Poblagràfic, Segunda edición, 1995.
_______________. Pesquisa sobre a formação de professores. Revista Brasileira de Educação, (9), 51-75, 1998.
MASON, J., BURTON, L. Y STACEY, K., Pensar matemáticamente. Barcelona: Centro de Publicaciones del MEC y Editorial Labor. Traducción de Martinez, M, 1998.
MASON, John., GRAHAM A., PIMM, D. y GOWAR, N. Rutas e raíces del álgebra. Tunja: Editorial, Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia. Traducción y edición de Agudelo, C, 1999.
MIORIM, A., MIGUEL, A., E FIORENTINI D. Ressonâncias e dissonâncias do movimento pendular entre álgebra e geometria no currículo escolar brasileiro. In: Zetetiké, Ano 1, No. 1, Campinas, 1993.
MORA J. F. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
MORIN, Edgar. O método: o conhecimento do conhecimento, Vol 3. Publicações Europa- América, 1985.
____________. Entrevista com PESSIS-PASTERNAK. In: Idéias Contemporâneas: Entrevistas do Le Monde. São Paulo: Editora Ática S. A., 1989.
____________. Introdução ao pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.
____________. Complexidade e Transdisciplinariedade: A reforma da universidade e do ensino fundamental. 1ª reimpressão. Tradução de Edgar de Assis Carvalho. Natal: Editora da UFRN, 1999.
NACARATO, A. M. Educação continuada sob a perspectiva da pesquisa-ação: currículo em ação de um grupo de professores ao aprender ensinando Geometria. Tese de Doutorado. Campinas: FE/UNICAMP, 2000.
NOFFKE, S. E. Professional, personal and political dimensions of action research. In: Aple, M. (ed.) Review of Research in Education, 22, p. 305-343, 1997.
NÓVOA, Antônio. Relação escola – sociedade: “novas respostas para um velho problema”. In: Formação de professores. Volpato, R. et al. (org.). III Congresso Estadual Paulista sobre a Formação de Educadores. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.
ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento: As formas do discurso. Campinas, S.P.: Pontes. Segunda Edição, 1987.
OTTE, Michel. O formal, o social e o subjetivo: uma introdução à filosofia e à didática da matemática. São Paulo: Editora UNESP, 1993.
PAIS, Luiz Carlos. Didática da Matemática: Uma análise da influência francesa. Coleção tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
PARATELLI, Conceição A. Vida danada, In: Grupo de Pesquisa-Ação em Álgebra Elementar. Histórias de aulas de matemática: trocando, escrevendo, praticando, contando. Campinas: Graf. FE/CEMPEM, 2001.
PESSOA, Fernando. O Eu profundo e os outros Eus. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 15 ª edição, 1980.
PINTO, Renata. Quando professores de matemática constituem-se também escritores e divulgadores de suas experiências e saberes. Projeto de doutorado, FE/PRAPEM/ UNICAMP, 2000.
_____________. Quando professores de Matemática tornam-se produtores de textos escritos. Tese de Doutorado. Campinas: FE/UNICAMP, 2002.
PIRES, Manuela. O professor e o currículo. Educação e Matemática, No. 55. Novembro/Dezembro de 1999.
POLYA, George. Cómo plantear y resolver problemas. México: Editorial Trillas, Segunda edición, 1992.
PONTE, João Pedro. Perspectivas de desenvolvimento profissional de professores de matemática. In: Ponte, P. et al. Desenvolvimento Profissional dos Professores, Que Formação?. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação: Seção de Educação Matemática, 1996.
_________________. A investigação sobre o professor de Matemática: problemas e perspectivas do professor. In: Educação Matemática em Revista. Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Ano 8 – No. 11 –, pp. 10-13. Dezembro de 2001.
PONTE, J. P., OLIVEIRA, H., SEGURADO, M. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1998.
PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editora UNESP, Terceira reimpressão, 1996.
SANTONI, R. A. Nostalgia do mestre artesão. Coleção Memória da Educação. Campinas: Editora Autores Associados, 1998.
SCALON, Donna B. Álgebra é legal: reflexões sobre uma pedagogia inovadora em uma região urbana. In: What’s happening in Math Class? Envisioning new practices through teacher education. SHIFTER, D. (ed.). Vol 2. Teachers College, Columbia University, New Yok and London, 1996. Tradução de: PINTO, Renata A.
SCHIFTER, Devorad. (ed.) What's happening in Math Class? Envisioning new practices through teachers narratives. Vol 1. Teachers College, Columbia University, New York and London, 1996.
URI: http://repositorio.uptc.edu.co/handle/001/2431
Appears in Collections:ACG. Trabajos de Grado y Tesis

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1066_Quando_los_profesores...pdfArchivo principal1.21 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open
A_AJE.pdf
  Restricted Access
Autorización publicación189.66 kBAdobe PDFView/Open Request a copy


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons